Lili - Parte II

segunda-feira, 2 de março de 2009
Hoje a Lili foi operada.

Levei-a ao veterinário às 10h, como tinha ficado combinado, e ela, como é costume, chorou durante toda a viagem, e quando lá chegou quis sair da caixa. Estive com ela ao colo, e ela ficou sempre muito atenta a olhar em volta, a ver tudo. Tive de a meter na transportadora de novo, para assinar os papéis da cirurgia (anestesia e orçamento), e foi então que a recepcionista me disse para lhe dar os últimos beijinhos, porque já a iam levar lá para dentro.

Peguei de novo na minha menina e, como se ela soubesse o que se ia passar, perdeu a curiosidade anterior e ficou quietinha no meu colo enquanto eu lhe beijava a cabeça e lhe fazia festinhas. Foi-me impossível conter as lágrimas, mas tive de entregar a minha menina à doutora que a levou para dentro. Vi-a pela última vez, de relance, nos braços da médica enquanto a porta do consultório se fechava. Paguei e fui-me embora.

Já em casa, esperava ansiosamente pela hora em que o médico com quem acertei os pormenores da cirurgia me tinha dito que deveria ligar, mas o tempo parecia teimar em atrasar-se. A hora chegou e passou, e nada. O telemóvel continuava inanimado. Uma hora depois, ligámos para o veterinário, para perguntar se estava tudo bem, e disseram-nos que a cirurgia estava a decorrer. Esperámos.

Finalmente, há apenas alguns minutos atrás, o telemóvel tocou. Receosa, atendi... Mas os meus receios depressa morreram, pois o médico só tinha boas notícias para me dar. Correu tudo bem, conseguiram retirar todo o tumor, incluindo a tal outra bolinha que ela tinha, que durante anos não passara de uma bolinha de gordura mas que, agora, já estava a ficar tumoral. Tinha uma grande infecção uterina, o que complicou a cirurgia, mas conseguiram esterilizá-la com sucesso e controlar a situação.

Minha querida menina... Mesmo tonta da anestesia, debateu-se e recusou usar o funil. Provavelmente, a solução vai ser mesmo vestir-lhe o casaco.

E pronto, estou muito mais descansada! A minha menina está bem. Não sei quando vai ter alta, mas é hoje ou amanhã. Tudo vai depender do bem-estar dela. Se ela aceitar bem a comida e fizer as necessidades como deve ser, é provável que venha para casa já hoje. Tudo vai depender dela. O que é certo é que, se ela estiver bem, é muito melhor para ela que a sua recuperação seja feita num ambiente familiar, e não na jaula de um hospital veterinário, por muito boas que sejam as suas instalações. Logo veremos.

Por agora, resta-me aproveitar a sensação de alívio que este telefonema me trouxe, e antecipar o momento em que terei, de novo, a minha companheira de infância nos braços, com a promessa de saúde vindoura, esperemos que por mais alguns anos.

1 comentários:

  1. Poneka disse...:

    Fiquei muito contente por saber que ela aguentou a anestesia e que a operação correu o melhor possível. Agora...as melhoras Lili linda :)